julho 2, 2022

Tempos difíceis de grande apostasia em igrejas “ evangélicas “

RUY MATOS

Tenho andado muito preocupado e triste com os atuais rumos alcançados por inúmeras igrejas evangélicas que se afastaram dos princípios apostólicos ensinados sobretudo pelo grande apóstolo Paulo. Tempos difíceis que mexem com as emoções de líderes e igrejas sérios que ainda existem em diversas partes do nosso enigmático planeta.

Nos tempos atuais, de grande ignorância bíblica (líderes e liderados), qualquer pregação (mesmo pobre) é recebida como “ Palavra de Deus `´ que alimenta a incautos membros de igrejas que estão acostumados com comida de péssima qualidade e, desprovidos de bom senso espiritual, são alienados por líderes mal intencionados que, usados pelo inimigo das nossas almas, se aproveitam da fragilidade de muitos frequentadores de igrejas que vivem em “ comunhão com Cristo `´ e idolatram a falsos pastores e profetas que não pregam o verdadeiro evangelho.

Nos dias atuais, de muitos “ arrepios “ e pouco arrependimento, somos bombardeados por mensagens sem um mínimo de qualidade homilética, pois todos querem pregar, profetizar e orar.  Moral da história: nem todos sabem pregar, nem todos sabem profetizar e nem todos sabem orar… O Espírito Santo, nosso mestre por excelência não habita naqueles que “ nasceram crentes “ e que são reconhecidos como membros de igrejas locais e nunca podem ser identificados como membros da Igreja de Cristo (eterna e invisível).

Tal qual nos tempos apostólicos, a apostasia assume proporções assustadoras e nós, remanescentes de uma geração de crentes da pior qualidade espiritual possível, podemos resgatar, do engano, a muitos, mas somos incapazes de resgatar a todos. Tempos de corrupção espiritual diabólica e de líderes covardes e sem intimidade com o Espírito Santo.

Contudo, verdade seja dita, ainda existem homens e mulheres de Deus de verdade, imperfeitos, é verdade, contudo, defensores de um Evangelho de Jesus Cristo verdadeiro e perfeito. É hora de fazer diferença num mundo cheio de ódio, de corrupção e descompromisso com o “ Reino de Deus. `´ Hora de, até mesmo, morrer (fisicamente) por amor ao nosso amado Jesus Cristo. No mais, tenho dito! 

Ruy Matos: pastor, capelão e professor de Capelania. Bacharel em Teologia, preside o Conselho de Pastores e Obreiros Evangélicos de Nordestina (CPOEN).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.